TEMPO SECO E AS QUEIMADAS AUMENTAM AS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS


A combinação de baixa umidade relativa do ar, temperaturas elevadas e fumaça proveniente de queimadas, deixa o corpo mais suscetível a doenças, principalmente, as que afetam o aparelho respiratório. Nas cidades com tempo seco, asma, bronquite, gripes e resfriados são frequentes nessa época do ano. Entretanto, medidas simples podem atenuar os efeitos adversos do clima árido no organismo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a umidade do ar abaixo dos 30% traz riscos para saúde. O ideal é que ela fique entre 50% e 80%. Outro fator que contribui para os efeitos negativos do clima é a poluição, que aumenta no período seco. A falta de chuvas propicia a concentração de gases nocivos na atmosfera como o monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio, dióxido de enxofre e outras substâncias prejudiciais à saúde.

O médico Otorrino Dr Marcelo Galhardo, explica que no período da seca o ar “procura” água em todos os ambientes, inclusive, no corpo humano. No caso da seca, o organismo humano está inserido em um meio ambiente que por si só é agressivo. A pele, os olhos e o aparelho respiratório ficam ressecados. Daí a necessidade de hidratação constante”, explica.

 

O médico ressalta que o nariz é o órgão mais afetado pelo ar seco, por ter o primeiro contato com o ambiente. A função do nariz é filtrar as impurezas do ar que vai para os pulmões, mas, pelo fato de estar danificado pelo clima seco, a filtragem acaba não ocorrendo. “A pessoa inala diretamente toda a poeira sem passar pelo sistema de defesa do nariz, que foi comprometido”, explica o Otorrino.

Dicas do Dr Marcelo Galhardo:

-lavagem nasal com soro fisiológico;

-ingerir muito líquido para se hidratar;

-Não fazer exercícios físicos no sol forte;

-colocar umidificador de ambiente ou toalha molhada nos quartos;

-Não fazer uso exagerado do ar condicionado, pois ele resseca mais o ambiente.