VIAS AÉREAS E O CLIMA SECO E A BAIXA UMIDADE DO AR


Segundo orientações da OMS (Organização mundial de saúde), classifica-se a baixa umidade em 3 níveis sendo de 21 a 30 % – estado de atenção, de 12 a 20 % – estado de alerta, e abaixo de 12 % estado de emergência, sendo que quanto mais baixa a umidade maiores os cuidados a serem tomados, principalmente quanto à umidificação do ambiente: hidratação corporal e diminuição à exposição ao trabalho, às atividades físicas ao ar livre e aglomeração de pessoas.

Estimativas da Academia Brasileira de Rinologia apontam que cerca de 30 % da população brasileira é acometida por rinite alérgica.

A falta de umidade no ar atinge tanto pessoas normais que apresentam sinais de irritação das vias aéreas altas como narinas ressecadas, doloridas, formação de crostas nasais, ardência e até sangramento nasal, e se intensifica nos portadores de rinite alérgica com obstrução das narinas, espirros, prurido nasal e coriza. Já nos portadores de doenças pulmonares crônicas, como asma brônquica e bronquites, a piora da tosse e da falta de ar nesse período é evidente.

Além do clima seco, as condições atmosféricas pioram muito com a prática inadequada das queimadas, seja na área urbana, nos terrenos baldios  ou área rural, pois a fuligem particulada na atmosfera associada ao monóxido de carbono emitido pelos veículos, aumentam  a poluição que respiramos. Estima-se que em média um adulto respire cerca de 1.500 litros de ar por dia, e se houver muita poluição particulada neste ar, poderemos então imaginar as consequências negativas para o nosso organismo.

Todo trato respiratória desde o nariz até os pulmões é revestido por células que possuem cílios móveis recobertos por muco, que vão “varrendo” as vias, limpando- as  de todas as impurezas, sejam vírus, bactérias ou resíduos de poluição.  (sendo que deglutimos cerca de 2 litros de muco ao dia). Todo esse sistema necessita estar bem hidratado para funcionar. Aliado a seca, o calor nos impulsiona ao uso de ar condicionado que retira ainda mais a umidade do ar ambiente.

Algumas dicas para essa época vão desde cuidados com o meio ambiente aos cuidados pessoais:

– não fazer queimadas, conscientizar os amigos dos malefícios desta prática para nosso ambiente.

-evitar abuso do ar condicionado (este resseca mais o ar)

– Fazer uso de umidificadores de ambiente ou na falta dele, usar toalhas molhadas e bacias d’água ajudam na melhoria da umidade do ar principalmente no quarto onde dormimos;

– o mais importante: boa hidratação oral aumentando o consumo de líquidos – água, sucos, água de coco, frutas com bastante sumo, sendo adequado ingerir ao menos 3 litros de água por dia;

– hidratação e lavagem nasal com soro fisiológico à vontade – ao menos 4 x no dia;

-inalações com soro fisiológico ajudam a umedecer as vias respiratórias;

-evitar o fumo em ambientes fechados – pessoas alérgicas devem evitar o contato com a fumaça;

– evitar alimentos muito calóricos, preferir aqueles que tenham boa quantidade de água como as frutas;

– evitar caminhar pelas ruas ou fazer exercícios físicos em horários de pico alto de temperatura. Utilizar chapéus e sombrinhas ajuda a amenizar os efeitos dos raios solar.